O Exército de Salvação Mundial


   Hoje trataremos a respeito da vocação e desta questão relacionada a estes impulsos do Ser, de como lidar com a vida e o trabalho de cada pessoa.

   São temas bastante delicados porque há certas particularidades que dependendo do que seja dito, se a pessoa não levar isto a uma análise de sua própria consciência, pode tomar como um dogma, como uma regra e não serve para todos os casos algumas coisas que vamos tratar. Que se analise com consciência estas palavras.

   Certa vez tirávamos um oráculo em um livro do Mestre. Tomamos um livro qualquer e abrimos de forma aleatória com o intuito de ler algo relacionado a estas questões que temos exposto e que temos vivido.

   O que lemos, aonde apontamos o dedo em uma página qualquer, foi: “No meio de todo esse caos e de todas essas ruínas é necessário que o 'Exército de Salvação Mundial', formado pelos mártires de todas as religiões, escolas e crenças, orem e trabalhem, curando os feridos, sepultando os mortos, compartilhando o pão dormido com o faminto, socorrendo os aflitos, etc.” - Gnosis no Século XX

   Formar um Exército, bem, é verdadeiramente isto que está se processando neste momento mais do que nunca. Um exército de virtudes, dentro de nós. E no Mundo um Exército de Homens autênticos cujas armas serão o exercício de suas consciências e a expressão de seu Íntimo por meio de suas vidas e obras.

   Tem sido já uma grande batalha que tem se lançado a Loja Branca por meio de seus representantes na terra e verdadeiramente conforme vão mais e mais os irmãos penetrando no campo da percepção direta da verdade, mais guerreiros se lançam a esta dura batalha pela conquista do Ser e do bem comum para com a humanidade.

   Muitos irmãos tem predisposições para diferentes vocações, em outras palavras, tem mais de uma vocação possível. A Vocação é esta habilidade nata que a pessoa já vem predisposta. É um Dom Espiritual que lhe permite saber o que muitas vezes não conheceu intelectualmente, porque já tem em si aquela habilidade nata, de nascença. No caso das crianças é sempre isto que deveriam avaliar os Pais e os Professores e lhes dar aconselhamento e encaminhamento.

   O ponto que queremos chegar é que nos dias atuais estamos em uma luta ainda maior do que esta luta costumeira de nossa autorrealização por meio destas profissões ou vocações.

   Vivemos uma época aonde a humanidade se proliferou a extremos absurdos e há centenas de milhares de pessoas desinformadas e desamparadas no sentido do conhecimento que é capaz de dar um rumo a suas vidas. Já que não percebem dentro de si, este chamado íntimo, superior.

   Temos uma mensagem e ela precisa ser entregue. Esta mensagem não é uma mensagem pessoal ou algo que tenhamos que decorar e repetir, são fatos e experiências diretas, compreendidas e executadas por cada um, impulsionados por sua consciência e seu Íntimo.

   Não estamos nem sequer falando de levar todas as pessoas a autorrealizarem-se, de cumprirem com a totalidade das três montanhas, nada disto, nada disto.

   Estamos falando pelo menos de lhes dar uma explicação do sentido da vida, para que ainda que se quiserem dentro de sua liberdade continuarem com seus delitos, possam fazer modificações e ajustes que considerem justos e necessários.

   Todo sofrimento que há no mundo, é uma em um milhão do que se passa nas regiões inferiores da natureza, depois do desencarne, aonde esta Alma deixa este veículo físico.

   O mínimo que uma pessoa consiga fazer em vida, já é um alívio para o sofrimento desta alma nas regiões inferiores.

   Não estamos desestimulando ninguém a fazer a Obra, pelo contrário, reforçamos este chamado para aqueles que o sentem. Mas que nesta marcha rumo a nossa própria revolução, e a revolução daqueles que igualmente sentem este impulso, temos como missão e como propósito aliviar a dor da humanidade, por isto a mensagem é para todos e nossa ação não difere ninguém no caminho.

   Nosso trabalho já não é apenas resgatar estas Almas para que autorrealizem-se, de reencontrar estes iniciados que estão perdidos, estas almas que tem este espírito latente, mas entregar uma ferramenta para diminuir a dor, a criminalidade, a marginalidade e aliviar esta fome vital e espiritual desta humanidade, que a grandes penas vem se arrastando ao Abismo.

   É Uma época difícil, e é um momento de decisões difíceis. Só precisamos agir com consciência e não nos deixar levar por esta dualidade de nossa mente e da própria mecânicidade da vida.

   



MDCLXV