O Sinal de Jonas


   O Drama Crístico que viveu Jesus em passados tempos, sintetiza de forma clara todos os processos iniciáticos que correspondem as “Três Montanhas”.

   Existem três processos muito bem definidos aos quais denominamos Iniciação, Ressurreição e Ascensão, que correspondem a estas Três Montanhas e seus respectivos processos.

   No drama Crísitco que viveu Jesus, este processo correspondente a Segunda Montanha, o processo de Ressurreição. Este processo iniciou-se com a culminação da Primeira Montanha que foi a Cristificação. Com a morte do Cristo, e sua ida ao Sepulcro, este inicia os trabalhos de Segunda Montanha aonde culminam na sua Ressurreição.

   "E, chegando-se os fariseus e os saduceus, para o tentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu.

   Mas ele, respondendo, disse-lhes: Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro.

   E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos?

   Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, retirou-se." - Mateus 16:1-4

   "Mas ele lhes respondeu, e disse: Uma geração má e adúltera pede um sinal, porém, não se lhe dará outro sinal senão o sinal do profeta Jonas;

   Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra." - Mateus 12:39-40

   Três dias e meio é o tempo em que o Cristo passa simbolicamente por seus processos de Segunda Montanha, também é o mesmo tempo em que Jonas passa no ventre da baleia.

   Há uma íntima relação neste relato dos processos do tempo em que Jonas passa isolado no ventre da baleia e o tempo que o Cristo passa isolado dentro do Santo Sepulcro. Isto são diferentes formas de simbolizar o mesmo processo, a Segunda Montanha.

   "A forma extraordinária e maravilhosa do velho ataúde de Osíris chama atenção pela sua semelhança e significado esotérico com outro peixe, representado, magnificamente, pelo alfabeto semita na letra Samek, que ocupa o décimo quinto lugar cabalístico, a qual simboliza no princípio a famosa constelação da Baleia, sob cuja regência devemos realizar todos os trabalhos da Nona Esfera.

   ...

   Se adicionarmos cabalisticamente as duas cifras do 15 teremos o seguinte resultado: 1 + 5 = 6.

   Seis, no Tarô, é o Arcano dos Enamorados; o homem entre a virtude e a paixão. Aprendei a polarizar-vos sabiamente com o Arcano Seis e havereis vencido o espantoso 15 da constelação da Baleia.

   ...

   Porém, a transformação superior somente é possível com a ressurreição do Cristo íntimo no coração do homem. Esta é fase culminante do terceiro período.

   O instante formidável em que a brilhante constelação da Baleia vomita Jonas, o profeta, nas praias de Nínive; o momento supremo em que ressuscita Jesus, o Grande Cabir; o segundo extraordinário do triunfo de Parsifal no templo resplandecente do Santo Graal. " - O Parsifal Desvelado

   "Debaixo da Constelação da Baleia se desenvolve o Iniciado.

   Sem Lúcifer-Baphometo seria impossível a Auto-Realização Íntima do Ser.

   Lúcifer origina o Impulso Sexual em cada um de nós.

   Se controlarmos o impulso sexual e transmutarmos o Esperma Sagrado ascendemos de grau em grau.

   Todo o Trabalho da Grande Obra se realiza na Nona Esfera.

   A Nona Esfera é o Sexo." - Pistis Sophia Desvelada

   "E desde a hora de Sexta (tentação) foram trevas sobre toda a Terra até a hora da nona”. (Nona Esfera). Somando KABALISTICAMENTE temos 9 mais 6 =15. Este é o Arcano de Tiphón Bafometo: o Diabo. Tal valor esotérico corresponde à Constelação da Baleia, sob cuja influência cósmica se desenrola o Iniciado até conseguir a ressurreição. Recordemos o sinal de Jonas.” - As Três Montanhas

   Judas, Pilatos e Caifás, os Três Traidores, devem ser eliminados de nosso interior para que possa ocorrer esta Ressurreição do Cristo em nós.



MDCLXV