Um Novo Mistério

    "Como me foi este mistério manifestado pela revelação, como antes um pouco vos escrevi; Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas;"

- Efésios 3

Os Desertos Esotéricos e as Noites Psicológicas

   Na época da Atlântida existiam cálculos aonde se estudavam infinitos e a esta matéria chamávamos Matemáticas Transinfinitas.

   Para cada Infinito existe um espaço vazio que o separa de outro infinito, senão seriam uma só coisa.

   Este cálculo, ou este mesmo princípio, aplicamos as ciências esotéricas.

   Todo espaço que esteja separado de outro espaço distinto necessita de um espaço vazio entre eles, de um “deserto” em termos esotéricos.

   Este é o motivo que faz principalmente o Caminho de liberação ser tão amargo e é o motivo que tantos acabam desistindo e voltando pelo caminho de onde vieram.

   Há uma frase no processo Iniciático que representa o Deserto Esotérico que é: “No Céu não me permitem entrar e no inferno não aceitam meu regresso”.

   Então que neste caminho das Trevas à Luz; se passa por um momento aonde a pessoa se desliga de tudo aquilo de negativo que vinha por seguir cometendo vida após vida e se compromete firmemente em trilhar na direção da Luz.

   Mas o que acontece que dentre estas duas possibilidades existe um espaço vazio. São como dois caminhos que não se cruzam, como duas autoestradas paralelas e se queremos ir de uma a outra, precisamos atravessar caminhos desconhecidos aonde realmente não há nada.

   Isto é o deserto esotérico, isto são estes processos de transição que ocorrem vez ou outra na vida do iniciado.

   É duro porque a pessoa humana, apesar de estar sendo guiada por sua consciência, sente a dor da morte de sua vida passada; por deixar de ser quem era.

   No entanto, ainda não lhe é permitido viver esta nova vida, há uma jornada de provações e de amarguras até que realmente possa ver a Luz, que é este Despertar, que são estes novos graus e esta nova Consciência que o aguarda.

   Este deserto tem muitas facetas e se dá muitas vezes individualmente para cada virtude que vamos despertando, também são processos específicos marcantes que em um maior grau referem-se a transformações muito grandes a nível indivíduo. Assim que dentro de nós mesmos, nossas distintas partes internas passam por estes desertos e nós como indivíduos passamos por estes desertos.

   Certamente que a pessoa como indivíduo passa por isto, porque toda unidade passa por este processo (instituições, civilizações, planetas igualmente). Cada essência para que se converta em Consciência necessita morrer como Defeito, efetuar esta passagem pelo deserto e renascer como Virtude, Dom, etc.

   O Deserto Esotérico planetário, por exemplo, é principalmente aquele momento aonde há a transformação geológica do planeta entre as raças. Este é o principal e maior processo deserto esotérico planetário

   Falando do deserto esotérico individual, é principalmente aquela passagem que Moisés nos leva pelo deserto da escravidão até a terra prometida.

   Isto é doloroso porque a pessoa abre mão de muitas coisas mas acaba não vendo ainda os benefícios de seu sacrifício.

   Então que há elementos e acontecimentos que só vamos ver o resultado quando definitivamente formos ao sepulcro, após nossa Crucifixão final.

   Claro, a pessoa não tem experiências internas, não consegue matar o ego, não é capaz de sentir ou ser guiada pelo Ser. Bem, pois está em seu deserto esotérico, muitos nunca saem deste deserto porque em vez de seguir caminhando, sentam entre os dois caminhos ou andam uns passos para a Luz e uns tantos outros novamente para as Trevas.

   Isto não é mais fácil porque a pessoa não daria valor se lhe permitissem esta troca de forma instantânea. Também porque toda transformação é gradual, e exige ajustes, exige escolha e esforço.

   Já estas noites psicológicas são os momentos aonde a pessoa já chegou a Luz, já tem algum dom, já tem consciência mas se vê eclipsado em suas capacidades.

   Claro que existem desertos e desertos, os próprios Mestres passam por um terrível deserto esotérico na Oitava Iniciação de Mistérios Maiores.

   Estas Noites Psicológicas ou Esotéricas se relacionam a momentos em que o Ser ou a Consciência não se faz presente e a pessoa se vê sem uma guiatura interna em seu caminho.

   Claro que isto é porque o Pai já se fez presente já deu a força, o seu amor, seu apoio, seu conhecimento ao filho e então se retira por alguns momentos para ver como o filho caminha, se segue ou não seu exemplo.

   Isto são treinos que o Ser faz com a pessoa para que aprenda a caminhar. É como o Pai que larga o filho e vai uns passos a frente esperando que o filho caminhe até ele.

   Igualmente estas Noites ocorrem porque o Iniciado ainda não aprendeu que necessita andar com as duas pernas como diz Pistis Sophia.

   Isto de caminhar com as duas pernas é sim ir à Luz e integrar-se com o Pai para ver o resultado de nossas ações esforços mas logo após munido desta Força, desta Luz e deste Poder, regressar as Trevas para continuar trabalhando na dissolução de nossos agregados psicológicos, e tudo mais que nos corresponde.

   Não estamos dizendo que o Pai não esteja presente, nosso Ser se faz presente como desdobramento de si próprio, como frações de si mesmo que emana para nos acompanhar; são as ditas partes autoconscientes do Ser.

   No entanto, não estaremos na bem-aventurança d'Ele naqueles momentos, como quando se está integrado, ainda que em parte, com nossa Divindade que nos personifica.

   Então que tudo isto que dissemos se resume em um ponto, que é que temos que seguir caminhando sempre, sempre em direção a luz, mas por vezes nos viramos em direção as trevas para ver que amarras nos impedem de efetivamente chegar até ela.

   E nisto destes desertos, nunca, jamais desistir de caminhar; porque quanto mais longo e mais amargo seja este deserto, maior valor e maior de poder será seu resultado. No entanto, isto não é algo que a pessoa se impõe, senão que o Karma que ela carrega.

   Nas noites esotéricas necessitamos recordar dos ensinamentos do Ser e seguir em frente com as armas que tenha nos deixado e com as orientações que tenha nos dado.

   Acreditem, que por mais terrível e obscuro que possa parecer algum processo que possam estar vivendo, não vão sós, ainda que os olhos não possam perceber as Hierarquias que acompanham tais processos.

MDCLXV, o Livro

    Entregamos aqui uma segunda Obra, referente aos demais mistérios e vivências relacionadas ao Caminho Espiritual: MDCLXV

    Este trabalho consiste no que mais além do Mistério CLXV, pudemos observar, compreender e vivenciar. São palavras acerca da totalidade das coisas que necessitamos compreender para nossa Jornada Terrena e Espiritual.

    Sendo o Mistério CLXV e seu Livro a base, podemos dizer que este é o complemento tão necessário àqueles que buscam uma palavra de orientação, de conforto e de ajuda para suas angústias e inquietudes.

CLXV, o Livro

    Entramos em um novo momento desta jornada, onde temos esta Obra em um formato final para ser entregue e divulgada por meio do site CLXV.org

    Aqueles que queiram o livro impresso podem fazer uma solicitação de impressão avulsa no Clube de Autores. Como esta impressão é unitária, o valor do livro acaba sendo elevado, mas é uma forma de propiciar esta sabedoria neste formato Mágico de um Livro Impresso.

    O Livro impresso é o mesmo da versão digital, apenas que diagramado. O objetivo de ter a versão impressa da Obra é pela acessibilidade da leitura no papel e a Magia que impregna o formato impresso da mesma. Também que a divulgação do livro impresso atende a um público que comumente não teria acesso ao formato digital do mesmo.

    O valor de venda do livro é automaticamente estipulado pela empresa que o produz no formato impreso, não recebemos quaisquer valores relativos a estas vendas. Então que apesar do valor elevado, da nossa parte, é o preço de custo destas impressões.

Contato

    Nos reservamos o direito de não responder, ou mesmo de não ler, os contatos que consideremos como negativos, irresponsáveis ou inadequados.